Carta ao meu irmãozinho de olhos lacrimejados

10/04/19 - Por Dennis Guerra: A vida - principalmente em certos ambientes de trabalho - segue um rito que muitas vezes não somos capazes de entender. De certa forma, a melhor maneira de tentar entender algo em tudo isso é tomando como certo que ninguém é relevante e todos não são nada além de um número.


Você pode até não concordar comigo por completo, mas não discordaria por inteiro. O princípio da impessoalidade só se aplica quando considerado que o indivíduo em questão - aquele afetado - é considerado como pessoa. Se não, é número. Se número, é peça descartável no tabuleiro de xadrez onde as regras têm origem em intrigas e vaidades.


Por não existir peça abaixo do peão, trataremo-nos como tal. Se existisse tal peça (descartável por natureza), assim como ela seríamos.

Não abaixe a cabeça e não perca a sua alegria. Enxugue as lágrimas, pois a quem delas derivam não as merecem. Guarde-as para momentos de alegria entre familiares e amigos. Não mude uma vírgula de seu planejamento traçado para a sua vida por alguém - ou algo - que vá dar-lhe as costas. Não se perca por alguém que não te tratou como deveria, mesmo sabendo e que a você deve muito - ainda que jamais admita.

Meu irmãozinho de olhos lacrimejados, toque o foda-se para quem está pouco se fodendo para com você. Espero não te ver mais nessa angústia. Um abraço!


Compartilhe:

Um comentário:

Olá, seja bem-vindo! Faça o seu comentário com responsabilidade. Muito obrigado!

Por Dennis Guerra