30 junho 2016

A Globo e o seu velho estigma carniceiro - Um 'Super Herói' para se espelhar!

30/06/16 - Por Dennis Guerra: Nem ao menos seria apropriado tratar isso como uma novidade, pois todos nós já conhecemos o estigma carniceiro de alguns canais de comunicação - principalmente quando se trata da Rede Globo. Veja também: ‘Saí de casa como um policial exemplar, voltei com um alvará no bolso’

Mesmo prestes a completar 30 anos de história e nem ao menos trinta casos de mortes em ações policiais, tendo como uma de suas características - justamente - a eficácia


em tais tipos de ações, a repórter da Rede Globo já levanta hipóteses sobre a real necessidade dos policiais metropolitanos em portar ou não armas de fogo. Veja ainda: GCM/SP - Comando Geral mais uma vez se mantém em silêncio na ocorrência envolvendo óbito de criança

"Nos últimos quatro anos dezessete pessoas morreram em confronto com a Guarda Civil Metropolitana, em serviço ou fora dele. Nesse mesmo período, dezoito guardas civis foram assassinados". Clóvis Pereira, em entrevista a Rede Globo.

Veja abaixo um breve vídeo produzido pelo Sindguardas-SP durante a entrevista do Presidente Clóvis Pereira:


Logicamente, boa parte disso é o resultado de declarações equivocadas e que não apresentaram o mínimo sobre o real trabalho e funções de uma guarda municipal, o que reflete para as corporações municipais de todo o país. E: 13.022/14 - Vai enfiar na gaveta?

Invariavelmente, eles deixam de divulgar belíssimas ocorrências para polemizar casos pontuais. Certamente, para esse tipo de mídia, o que mais vale é realmente a polêmica do que um serviço de qualidade. E mais: Primeiro Comandante da Guarda Civil Metropolitana vem a público contra fala do Prefeito Haddad


São Paulo, aos 25 dias do mês de junho do ano de 2016 da E.V / Analogia entre o policial e os super-heróis dos quadrinhos.

Você já parou para pensar por que “adotou” um super-herói para se espelhar?

Já parou para pensar porque escolheu ser um policial? Será que é possível vislumbrar alguma analogia entre o policial e um super-herói das histórias em quadrinho; quais são as suas características em comum ou quais são os seus objetivos? Qual é a opinião das pessoas em relação às suas atividades e o jeito como se comportam diante de situações em que precisam agir? Muitas são as perguntas que podem ser feitas e respondidas respectivamente! Vamos juntos amadurecer essa ideia, essa reflexão?

Podemos começar dizendo que; como opção quem arrisca a própria vida em defesa da vida alheia é sem dúvida um herói! Mas será que somente colocando nossas vidas em perigo para salvar outras pessoas de ameaças tidas como malignas podemos ser heróis, ou há outras maneiras de sermos reconhecidos como tal sem mesmo precisar combater fisicamente outrem?

O médico, o professor, o doador de sangue ou de órgãos, o que pratica a caridade, o advogado, podem também receber o título de herói? Para ser herói é restritamente enfrentar desafios físicos, ou será que as virtudes como as teologais, cardeais, humanas, profissionais e morais também fazem parte do perfil do herói ou do super-herói?

Vejamos:

Virtudes teologais: Fé, Esperança e Caridade.

Virtudes Cardeais: Temperança, Fortaleza, Prudência e Justiça

Virtudes Humanas: Auto-Confiança, Contentamento, Benevolência, Coragem, Desapego, Despreocupação, Determinação, Disciplina, Docilidade, Empatia, Entusiasmo, Estabilidade de ânimo, Flexibilidade, Generosidade e Honestidade.

Virtudes Morais: Coragem, Verdade, Honra, Disciplina, Independência, Laboriosidade, Hospitalidade, Perseverança, Fidelidade.

Será que você se identifica ou pratica alguma virtude dessas?

Será que os heróis também as possuem em parte ou na totalidade?

Vamos ver se realmente nós policias somos capazes de doar nossa integridade a terceiros por sacerdócio ou porque é uma necessidade natural que temos que satisfazer em benefício próprio.

E os Heróis, porque são altruístas, por sacerdócio ou pela mesma necessidade particular de satisfação própria?

Conceito de Herói ou Super-Herói

Indivíduo que possui poderes e habilidades muito além da capacidade dos mortais comuns. E eles buscam a justiça, defendendo os oprimidos, ajudando os indefesos e vencendo o mal com a força do bem.

Uns dizem que quanto mais poderoso for um indivíduo, menos heroico ele é e menos riscos ele correrá em combater o mal e ajudar os outros. Pois que graça teria impedir um assalto a mão armada se sua pele é a prova se projeteis?

E aí, neste momento você se identifica como um herói ou não?

Vejamos:

“O desejo básico de pertencer, de fazer, é um aspecto fundamental da natureza humana. Como definiu o psicólogo Abraham Maslow (1908-1970), nossa necessidade de nos ligarmos aos outros é vital para o nosso bem-estar, só perdendo em prioridade para as necessidades fisiológicas e de segurança. Com relação ao Super-Homem, vale a pena presumir que apesar de sua origem extraterrestre, Kal-El sente a mesma necessidade básica de comunidade que todos os seres humanos a sua volta sentem; do contrário ele não se daria ao trabalho de ser Klarc Kent e preferiria voar pelo espaço em vez de trabalhar das 09:00 as 18:00 hs em um jornal”. (Pág. 19/20).

Mas vamos trazer para nossa realidade essa questão utilizando um texto de Marianne Williamson: (Pág. 20)

“Nosso medo mais profundo não é o de sermos inadequados.

Nosso medo mais profundo é o de sermos poderosos além das medidas. O que mais nos assusta é nossa Luz, não a nossa escuridão. Quem sou eu para ser brilhante, bela, talentosa, fabulosa? Na verdade, quem é você para não ser tudo isso? Você é filho de Deus! Bancar o insignificante não presta um serviço ao mundo. Todos fomos feitos para brilhar! Nós nascemos para manifestar a Glória de Deus, que está dentro de nós. E, quando deixamos nossa Luz brilhar, automaticamente permitimos que outras pessoas façam a mesma coisa”.

Nesse entendimento podemos verificar que a pessoa ao escolher ser policial ela na verdade quer de ajudar outras pessoas a poderem ter a liberdade de poder exercer as atividades que vão lhe emancipar como um cidadão de Direitos e Deveres. Por isso nós policiais não viramos as costas aos que precisam de nossos Serviços, deste modo estamos fazendo o que gostamos, estamos autênticos e usamos todos nossos “poderes” para o bem dos outros e satisfazendo nossa necessidade.

O filosofo Sêneca também nos deu um grande conselho quando nos escreveu:

“Escolha para si um herói moral cuja vida, conversa e rosto expressivo lhe agradem; então imagine-o o tempo todo como seu protetor, seu padrão ético. Todos nós precisamos de aguem cujo exemplo possa nortear nosso carácter”.

E ainda:

Valorize um homem de grande carácter e tenha-o sempre em mente. Então, viva como se ele o tivesse observando e ordene todas suas ações como se ele as visse. (Pág. 30)

Depois de iniciarmos nossa reflexão se somos ou não Super-Heróis seria natural nos perguntar se existe algum sacrifício a ser pago para defender os menos afortunados. E se nesta senda sentimos algum medo ou não. O que você acha, levando em consideração sua profissão policial?

Claro que temos que fazer sacrifícios para servir aqueles que de nenhuma forma ou grau nos é familiar! Quantas vezes ficamos em delegacias apresentando ocorrências e passamos muito da hora de chegarmos em casa? Quantas dispensas nos foram e serão negadas por causa de uma Operação que se iniciará de madrugada, fazendo você sair de casa mais cedo do que o de costume? Pagamos este preço e nossa família também! E mesmo sem ter a certeza de que tudo ocorrerá sem novidades e voltaremos para casa sem sofrer qualquer mácula, o senso de Dever a cumprir nos faz realizar estas tarefas perigosas e para tanto fazemos este sacrifício!

De qualquer forma o conceito de Herói é o que os filósofos chamam de conceito normativo, algo que nos inspira, afinal todos nós temos medo e enfrentamos adversidades na vida. E as vezes isso pode nos desanimar de prosseguir adiante. Mas os Super-heróis nos mostram que nada que valha a pena é fácil!

Mesmo com seus superpoderes, o maior dos super-heróis as vezes só vencem a adversidade por causa daquilo que os filósofos chamam de virtudes!

Os super-heróis dão-nos exemplo de boas pessoas que são capazes de usar a força quando necessário, e até de cometer atos violentos, dentro dos limites, para derrotar e subjugar um mal até então incessante, (ops! Uso progressivo da força! Será?). Mas sem deixar que tal atitude não saia do seu controle ou repercuta de forma negativa no seu caráter. Quantas vezes deixamos de fazer algo devido as características do evento e os meios disponíveis são incompatíveis para que possamos alcançar um resultado cirúrgico no Teatro de Operação, com risco de se prosseguirmos sem as ferramentas e circunstâncias favoráveis fatalmente agiremos dissonantes a legislação e a opinião pública. Daí teremos um problema! Imagine um artesão quando se propõe a esculpir uma imagem em pedra, madeira ou outro material. Ele se valerá de suas ferramentas especificas para auxilia-lo na empreitada, neste momento em que ele desbasta o material ainda bruto buscando lhe dar a forma desejada, todo controle nos golpes que irá imprimir nas ferramentas terá um valor no resultado final. Por isso é mais difícil controlar a ação do que a omissão para aqueles que imbuem de manter a Ordem!

O caminho heroico, das virtudes pode ser solitário, mas é sempre o certo. Com uma imagem dos super-heróis em mente, nós podemos achar um pouco mais fácil trilhar o nobre caminho da Moral, que nos satisfará no fim! (Pág. 31)

Depois da leitura você estará mais a vontade para afirmar se como policial que é; se é ou não um super-herói para si mesmo e para outrem. Basta fazer uma simples pregunta a você mesmo: “Porque faço o que faço”?

Agradecimentos:

Agradeço ao Deus criador se todas as coisas e que tudo vê.

Agradeço a minha família, minha esposa e meus filhos em especial.

Agradeço a todos os que Trabalham por uma sociedade mais Justa e Perfeita.

FORÇA E HONRA!

Fonte de pesquisa:

Super-Heróis e a Filosofia; Verdade, Justiça e o Caminho Socrático (Editora Madras) http://permanencia.org.br/drupal/node/2093 http://mensagens.culturamix.com/vida/as-virtudes-humanas http://www.catolicoorante.com.br/virtudes.html http://www.gestaoebt.com.br/blog/wp-content/uploads/2010/08/As-9-virtudes-morais.pdf

GCM DE SP

C.E: JEFFERSON AMARAL GUERRA.

DIST: 7519.

BASE IOPE.

0 COMENTÁRIOS DOS VISITANTES::

Constituição Federal:
Art. 5º / inciso IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vetado o anonimato;

O seu comentário é uma ferramenta importante para o aprimoramento deste site, porém, deverá seguir algumas regras:

1 - Fica vetado o anonimato;
2 - O comentário deverá ter relação com o assunto em questão.
3 - Não serão aceitos comentários que denigram o nome/imagem de quaisquer instituições ou de seus integrantes.
4 - Comentários inapropriados serão retirados pelo editor do site sem prévio aviso.

OBS.: Verificar Página Termos de Uso - Ao enviar o seu comentário, fica confirmado ter conhecimento da política de uso deste site.