02 fevereiro 2016

Calor intenso: "...Pode vir quente que eu estou fervendo..." (Atualizado)

02/02/16 - Por Dennis Guerra: Com a média de temperaturas em São Paulo chegando aos 35° Graus e sensação térmica próxima aos 40°, não é de estranhar alguns casos de mal súbito ocorrerem com profissionais de segurança. Veja também: Comando Geral da Polícia Militar de SP autoriza os seus policiais a não utilizarem a gandola durante calor intenso


Podemos dizer que 'sombra e água fresca' não são elementos suficientes para aplacar o impacto causado pelo calor, até mesmo o porquê encontrá-los - dependendo do local - é tão raro quanto encontrar uma mina de diamantes. Vejamos alguns relatos, recebidos através da rede social Whatsapp. Os seus autores terão os nomes preservados. Veja ainda: Aposentadoria Especial - Últimas informações

-------------------------------------

Relato 1 - "Só não filmei pois fui eu que tive que acudir a guarda. Eu estava passando ali perto do largo da Concórdia e creio que devido ao calor excessivo uma fox passou mal e foi sentando na calçada deslizando as costas pela parede. Suava mais que tampa de cuscuz. Não chegou a desfalecer, comprei uma água gelada enquanto ela era acudida pelos parceiros. Levaram ela para um veículo da Guarda Civil que estava ali próximo. Não sei se socorreram ou se depois ela se restabeleceu. Na hora de sair fora vi todos os PMs da base que tem no largo da Concórdia trabalhando de camiseta e colete (seguindo a determinação no Comandante Geral da PMESP nos dias quentes do verão). Depois fiquei me perguntando: Quando nosso comando vai autorizar trabalharmos de camiseta e colete? Na moral, não é uma questão de copiar, e sim se adequar. Já conseguiram autorizar o pessoal do radar a trabalhar de camiseta e colete, mas porque não estender aos demais"?

Relato 2 - "Durante a operação nas marginais - mesmo abrigado em uma sombra - um de nossos integrantes desfaleceu. Ao ser socorrido ao hospital, constatou-se que a sua pressão estava 19/11".

Relato 3 - "Ontem, pela primeira vez em anos de serviço, senti uma tontura enquanto exercia a função de sentinela. Por vezes olhei o termômetro do relógio público. A temperatura em média era de 34°, mas a sensação térmica é bem diferente. Com todos os equipamentos e uniforme, asfalto e concreto que irradiam o calor. Eu não consigo imaginar a qual inferno aquilo se parece. Muitos colegas me diziam para 'sair do sol', mas como você pode se dar a esse direito se as rondas no perímetro e informações ao público, assim como outras situações, são fatos constantes"?

Aproveite e vote na enquete na coluna ao lado da página inicial


-------------------------------------

Informações vindas de diretores do Sindguardas-SP orientam os guardas civis a redigir relatórios às suas referidas CIPAs, que os encaminharão a entidade sindical para as devidas providências.  Fonte: Whatsapp.

Durante um debate no Grupo OCDGN Alfa Whatsapp, deixei a seguinte pergunta ao Sr. Clóvis Roberto Pereira - Presidente do Sindguardas-SP (que por problemas no aparelho celular, não a respondeu. Nesse caso, torno a pergunta parte deste artigo e aguardo resposta para a atualização da matéria. A pergunta seria:

Durante a elaboração do Novo Plano de Uniforme, representantes do Sindguardas-SP estiveram presentes durante os trabalhos? Se a resposta for sim, não foi analisada a possibilidade de adequação dos uniformes aos períodos com temperaturas mais elevadas do ano - como existiu no passado da Guarda Civil, quando a corporação tinha em seu planejamento o chamado Uniforme de Verão?

"Boa tarde a todos! Participamos das discussões sobre o Plano de Carreira, e nele não foi discutido o Plano de Uniforme. O debate foi em torno das regras de movimentação da carreira, evolução, etc.  A questão de uniforme tem que ser estabelecida em um decreto e os modelos a ser utilizados podem ser estabelecidos através de normativa do comando. O que posso te adiantar é que esta questão de autorizar a utilização de uniformes mais leves em função da temperatura está sendo debatida neste âmbito, que é o adequado para a questão. Outras informações serão divulgadas assim que for apropriado". Por Clóvis Roberto Pereira - Presidente do Sindguardas-SP. Através do Whatsapp

-------------------------------------------------------------------------

A relação entre as altas temperaturas e os uniformes dos agentes de segurança no Brasil

02/02/14 - Por Dennis Guerra: Ao observar mais atentamente a notícia sobre os altos índices de temperatura que assolam a cidade de São Paulo - e no Brasil -  nos últimos dias, pergunto: como os agentes de segurança estão sendo preparados para o que vem por aí? Além do mais, a questão que envolve o fenômeno aquecimento global - que não convém entrar mais a fundo no assunto - já está mais do que clara para a maioria de nós. E mais uma vez pergunto: como as políticas de segurança em nosso país estão considerando isso como complemento às suas diretrizes?

Afinal, esperar que o agente de segurança esteja cada vez mais empenhado na sua missão fim sem considerar que condições para isso sejam levadas a cabo seria, no mínimo, surreal. Não importando se ele é agente da União (Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal) dos Estados (Polícias Militares) ou dos municípios (guardas municipais), o impacto na saúde e, consequentemente no serviço, é o mesmo.

Feita essa análise, considere um dia simples de serviço com temperaturas na média do 35°. Parece inacreditável que qualquer agente submetido a um calor tão intenso não sinta ao menos uma vontade de largar tudo isso e correr para um chuveiro. Isso se não chegar ao ponto de realmente passar mal e ser socorrido a um hospital. Você não acredita que aquele que foi preparado para salvar vidas não passe por algo assim? Lembre-se, são pessoas como você.



























A cidade de São Paulo registrou na tarde deste sábado, 1º, a maior temperatura para um mês de fevereiro em 71 anos. Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), os termômetros da capital paulista marcaram 35,8 graus por volta das 16h, o valor mais alto em um mês de fevereiro desde 1943. Fonte: Estadão/São Paulo

Por outro lado, você pode pensar que o investimento em tal tecnologia - que não chega a ser algo de outro mundo, pois encontra-se na maioria dos uniformes esportivos em qualquer loja - poderia ser um choque em relação à tradição das instituições de segurança e seus uniformes clássicos. Definitivamente, tradição pode co-existir com tecnologia.

Além disso, políticas sérias de segurança devem envolver investimentos diretos no agente. Preservar condições psicológicas e de saúde devem ser ponto de honra para os gestores. Ter um agente preparado é dever do gestor. Nada menos! Enfim, derretendo ao escrever este artigo...



"...Pode vir quente que eu estou fervendo..."

Roberto Carlos, na música de mesmo nome.

Compartilhe pelo seu Whatsapp e colabore conosco (Clique AQUI)
image

O Cão De Guarda Notícias

Autor e Editor

Dennis Guerra Contato Whatsapp 11 95580-1702

0 COMENTÁRIOS DOS VISITANTES::

Postar um comentário

Constituição Federal:
Art. 5º / inciso IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vetado o anonimato;

O seu comentário é uma ferramenta importante para o aprimoramento deste site, porém, deverá seguir algumas regras:

1 - Fica vetado o anonimato;
2 - O comentário deverá ter relação com o assunto em questão.
3 - Não serão aceitos comentários que denigram o nome/imagem de quaisquer instituições ou de seus integrantes.
4 - Comentários inapropriados serão retirados pelo editor do site sem prévio aviso.

OBS.: Verificar Página Termos de Uso - Ao enviar o seu comentário, fica confirmado ter conhecimento da política de uso deste site.

biz.