2010 / 2017

"Para que o mal triunfe, basta que os bons não façam nada"
Edmund Burke

"O Cão De Guarda Notícias era uma janela para o mundo que esteve aberta entre os anos de 2010 a 2017, deixando agora um vazio enorme em meu coração" Por Dennis Guerra

22 dezembro 2015

Faxineiro que "desenha" bandeira no Senado retira lema "ordem e progresso"

21/12/15 - Encaminhado por Fernando Torres: O bocal do aspirador de pó risca o carpete azul por onde pisam, ou deveriam pisar, 81 pares de sapatos lustrosos de segunda à sexta-feira. Veja também: Brasileiro acha mais grave blasfêmias do que 'pequenas' fraudes - Com certeza não o Clodoaldo!



No Senado Federal, onde os servidores efetivos não ganham menos que R$ 4,8 mil, é um funcionário terceirizado, da área de limpeza, que desenha - há 17 anos, de graça - a bandeira do Brasil que já virou emblema do plenário. Mas além do tom monocromático que difere totalmente do colorido original, o símbolo nacional delineado por Clodoaldo Silva, de 45 anos, não tem ordem, muito menos progresso. "Só volto a escrever isso quando o Brasil merecer", diz. Veja ainda: "Cooptação e bolivarização da Corte"

O lema da bandeira brasileira até constava nas primeiras obras de Silva, filho de piauienses, nascido em Brasília. Desenhou a bandeira pela primeira vez em 8 de abril de 1998, a mais inesquecível das quartas-feiras: a Copa do Mundo se avizinhava, o clima ufanista reinava e seu filho Marcos Vinícius nascia. Tudo parecia em plena ordem e progresso. "Hoje, infelizmente, já não é mais assim", lamenta ele, que aboliu as inscrições positivistas quando o caso do mensalão começou a ser revelado, dez anos atrás.

Clodoaldo, que só conhecia o vaivém dos políticos e as discussões acaloradas pela televisão, chegou ao Senado como auxiliar de serviços gerais, no último dia do ano de 1997. Impressionou-se com a grandiosidade dos salões, com o luxo dos objetos, com a sisudez que o poder imprime nos semblantes de quem dele goza. A primeira vez que aspirou o tapete azul e viu que a limpeza deixava marcas, brilhou uma ideia: fazer arte, sem medo de represálias. Apostou num desenho abstrato, que não foi lá muito aceito pelos nobres senadores. Era descontraído demais para a seriedade do lugar. "Parecia um circo", reconhece ele. "Pensando bem, até combinava."

Mas quando um filho chega ao mundo, amadurece o pai - e, nesse caso, também o artista. Clodoaldo queria manter aquele hábito, sem causar furor, e homenagear seu bebê. Buscava, agora, um desenho do qual ninguém reclamasse. "Quem é que vai ser contra uma bandeira?", pensou. Dito e feito: logo depois, chegou aos seus ouvidos o burburinho de que os parlamentares estavam gostando.

Tanto era verdade que a história do funcionário, desde 2004 promovido a encarregado de serviços gerais, é, desde então, pauta certeira das visitas guiadas ao Congresso Nacional. No último fim de semana, houve quem perguntasse se a bandeira de 2m x 1m não era, na verdade, uma pintura permanente no carpete. A negativa abismou em dose tripla os turistas: são também dele os desenhos da Catedral de Brasília, à esquerda do plenário, e do próprio Congresso, à direita - jogos de luzes e sombras dos quais Niemeyer poderia ficar orgulhoso.

"Me sinto satisfeito quando falam de mim durante os passeios, mas às vezes escapam umas bobagens. Dizem que eu sou funcionário do Senado - eu não sou -, que eu tenho três filhos - eu só tenho um -, que eu vou me aposentar e continuar vindo só para desenhar - claro que não -, até que eu morri", conta, sem precisar explicar o último ponto.

Falam a verdade, porém, quando dizem que Clodoaldo é um artista anônimo. Sem formação profissional em artes, sua escola foi meia dúzia de canetas e um calhamaço de papel em branco, onde desenhava carrinhos e paisagens quando era criança. No Senado, rebuscou a técnica. Descobriu que, ao escovar o carpete para cima, o azulão fica mais claro; para baixo, mais escuro. Assim, aprendeu perspectiva, sem nem saber direito o que isso significa. O segredo é, basicamente, colocar um amigo na galeria para observar o processo de cima e sinalizar se o desenho está bem centralizado.

O retoque é feito, em geral, de 15 em 15 dias. Mas se há sessões tumultuadas, em que os senadores se empolgam e acabam, sem querer, pisando na bandeira, é preciso uma intervenção de emergência. Ainda mais agora, depois de setembro, quando o carpete antigo foi substituído por um novo, em que os desenhos se apagam mais facilmente. Se dependesse de Clodoaldo, permaneceria o antigo. "O alto relevo deixava tudo mais nítido", explica. Mas imperou a vontade dos senadores, que se queixavam de problemas respiratórios causados pela poeira e pelos ácaros. Ao funcionário, só coube resignar-se.

Silencioso

O site do Senado Federal reconhece que o trabalho artístico é belo e original, "causando forte impacto de admiração em todo o público que por ali passa". Chegam a classificá-lo como "um discurso silencioso na pauta da beleza e da originalidade". Mas não cita que silencioso mesmo é o seu autor. Discreto, Clodoaldo, mesmo que esteja aqui e acolá coordenando a equipe de faxineiros, é figura praticamente invisível por entre os corredores do Legislativo.

"O Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) me dá boa tarde e o Suplicy (Eduardo Suplicy, ex-senador pelo PT-SP) falava muito comigo. O resto é tudo agoniado, apressado", relata. Uma vez, flagrou o ex-senador Antônio Carlos Magalhães (DEM-BA) parado em frente à sua obra, contemplando-a, pensativo, em um raro cenário de plenário vazio. Poucas semanas depois, o político baiano morreria. "Foi um gesto bonito, aquele", lembra. Comovido, saiu de fininho, sem falar nada.

O desenhista evita falar sobre o atual momento político do país. "O povo se ilude muito fácil. Só posso dizer que espero que o Brasil dê certo". Até lá, promete ele, ordem e progresso não saem do seu aspirador.

As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo". Fonte: UOL Notícias


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Constituição Federal:
Art. 5º / inciso IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vetado o anonimato;

O seu comentário é uma ferramenta importante para o aprimoramento deste site, porém, deverá seguir algumas regras:

1 - Fica vetado o anonimato;
2 - O comentário deverá ter relação com o assunto em questão.
3 - Não serão aceitos comentários que denigram o nome/imagem de quaisquer instituições ou de seus integrantes.
4 - Comentários inapropriados serão retirados pelo editor do site sem prévio aviso.

OBS.: Verificar Página Termos de Uso - Ao enviar o seu comentário, fica confirmado ter conhecimento da política de uso deste site.

Tecnologia do Blogger.