16 novembro 2014

Marcha pelo golpe é marcada por confusão em São Paulo

16/11/14 - Convocada por Bolsonaro, Constantino e Lobão, marcha pelo impeachment de Dilma foi marcada por confrontos entre diferentes grupos de direita e público aquém do esperado. Expectativa dos organizadores era de reunir 

até 150 mil pessoas. Foi aquém do esperado o alcance do protesto que pediu o impeachment da presidente Dilma Rousseff, em São Paulo, na avenida Paulista. Manifestantes gritaram palavras de ordem e empunharam cartazes com mensagens como “Fora Dilma”, “Lula, a PF está chegando” e “Collor e Nixon caíram por muito menos”.
A manifestação, no entanto, foi marcada pela divergência de ideias, uma vez que as pautas estavam divididas entre os participantes. Um carro de som puxava gritos de guerra pedindo um golpe militar no Brasil, enquanto outro carro afirmava ser contra a ideia e a favor ‘apenas’ do impeachment de Dilma.
Segundo a Polícia Militar, 2.500 pessoas se concentraram na avenida Paulista e cerca de 1.000 seguiram até a praça da Sé. A PM havia estimado anteriormente a presença de 6.000 pessoas, mas a assessoria de imprensa da corporação refez a estimativa. Organizadores falavam em expectativa de até 150 mil manifestantes antes do ato.

Lobão

O cantor Lobão, que chegou a dizer que deixaria o Brasil caso Dilma Rousseff fosse reeleita, mas depois voltou atrás, relatou em seu perfil oficial no Twitter que foi à manifestação.


Marcha pelo impeachment de Dilma é marcada por divergências entre manifestantes. Grupos pediram intervenção militar (Foto:Eduardo Enomoto/R7
No entanto, ele afirma que deixou o vão do Masp, ponto de encontro do ato, após se deparar com dizeres pedindo intervenção militar.
“Tô fora! Não sou moleque, nem o povo brasileiro! Gente, não compactuem com essa imoralidade!”, disse. “Estou aqui nos arredores da Paulista aguardando alguma notícia para retornar, mas estão distribuindo panfletos com SOS Forças Armadas”.
O músico também relatou “um monte de gente indo embora desapontadíssima com essa invasão de cretinos da extrema direita (…) Esses cretinos pedindo por intervenção militar são verdadeiros usurpadores da vontade do povo!”

Aloysio Nunes e Bolsonaros

O senador Aloysio Nunes (PSDB-SP), que foi candidato à vice-presidência na chapa de Aécio Neves, participou do evento. Segundo o tucano, o protesto “é uma oportunidade da população protestar contra os recentes escândalos da Petrobras”.
O deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ), conhecido por posições homofóbicas, e o filho Eduardo Bolsonaro (PSC-SP) acompanharam a manifestação em um dos cinco carros de som que andaram no sentido da avenida Brigadeiro Luis Antônio.
O protesto teve também o apoio de expoentes da nova direita brasileira, como o colunista da revista Veja Rodrigo Constantino e Danilo Gentili, apresentador do SBT.

Manifestação de quinta-feira

Na última quinta-feira (13), uma manifestação maior foi realizada na Avenida Paulista. Mesmo de baixo de forte chuva, cerca de 12 mil pessoas, de acordo com estimativas da PM, pediram reformas populares, como a urbana, tributária e a política, além de protestaram contra os pedidos de intervenção militar aclamados pelas passeatas organizadas por grupos conservadores.

0 COMENTÁRIOS DOS VISITANTES::

Constituição Federal:
Art. 5º / inciso IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vetado o anonimato;

O seu comentário é uma ferramenta importante para o aprimoramento deste site, porém, deverá seguir algumas regras:

1 - Fica vetado o anonimato;
2 - O comentário deverá ter relação com o assunto em questão.
3 - Não serão aceitos comentários que denigram o nome/imagem de quaisquer instituições ou de seus integrantes.
4 - Comentários inapropriados serão retirados pelo editor do site sem prévio aviso.

OBS.: Verificar Página Termos de Uso - Ao enviar o seu comentário, fica confirmado ter conhecimento da política de uso deste site.