2010 / 2017

"Para que o mal triunfe, basta que os bons não façam nada"
Edmund Burke

"O Cão De Guarda Notícias era uma janela para o mundo que esteve aberta entre os anos de 2010 a 2017, deixando agora um vazio enorme em meu coração" Por Dennis Guerra

18 novembro 2013

A mão-forte e a mão-fraca nas organizações - Acochambramento é outra coisa

18/11/13 - Por Dennis Guerra: Ao tratar desse tema, devemos tomar um certo cuidado para não referir-se à definições como mão esquerda e mão direita, pois, como todos sabemos, além de ser uma característica individual (e natural), isso poderia criar um certo constrangimento entre os membros citados. Claro, isso não acontecerá desde que eu fale a respeito de minhas próprias mãos!



Nesse caso, trabalharemos sobre a forma mais politicamente correta, e felizmente real: uma mão não vive sem a outra!

A minha mão-forte é a direita, e assim como a mão-fraca, delas dependo para tudo: amarrar os cadarços do tênis, escovar os dentes, segurar os talheres, escrever este texto...

A mão-forte segue de maneira eficaz todos os comandos emanados por meu cérebro. A mão-fraca, por sua vez, é uma coadjiovante também eficaz (considerando-a assim). Não tem a mesma habilidade que a mão-forte, mas não se faz de rogada em seguir a primeira e ajudar no que for necessário.

Nas organizações

Poderíamos fazer uma ponte esse este tema e o que acontece em qualquer organização: nelas também encontramos mãos-fortes e mãos-fracas. Podemos analisar tal situação como uma simples diferença de ritmo, natural entre seres distintos.

Porém, quando casos como esses caminham de forma a transparecer certos entravamentos do serviço prestado, devemos tomar um certo cuidado. Caráter, virtudes, vícios, interesses pessoais (ou profissionais), motivações das mais abrangentes podem transformar - ou reforçar - o membro da instituição a seguir não como a mão-fraca e sim como um acochambrado.

Segundo o Dicionário Informal: Diz-se de uma coisa arrumada de última hora, algo ou serviço feito às pressas, mal-feito, arrumação improvisada, também tem acepção de dar um jeitinho, fazer um acordo para salvar a pele de alguém.

Além disso, em instituições militares ou que seguem o militarismo como base de suas normas, o termo refere-se ao integrante que foge às suas atribuições e funções. Eles também são conhecidos por moita ou braço-curto, terminologias equivalentes a acochambrado.

E se (caindo no lugar-comum) uma mão lava a outra e as duas lavam o corpo... acochambrado serve para quê?


Fonte de pesquisa em 18/11/13 às 14:29: Dicionário Informal


Sobre o autor: Brasileiro, 38 anos de idade, casado: Doze anos na Guarda Civil Metropolitana; Onze anos na função de Motociclista; Cursando Gestão Específica. Cursos SENASP: Violência, Criminalidade e Prevenção; Capacitação em Educação para o Trânsito; Aspectos Jurídicos da Abordagem Policial e Uso diferenciado da Força. Outros: Táticas Operacionais Defensivas - CFSU; Escolta e Batedor com Motocicletas - PRF; Pilotagem Segura com Motocicletas CET; Pilotagem Defensiva Honda Indaiatuba Curso de Educador - CFSU


Apoio:




Gostou desta postagem? Compartilhe com os seus amigos em suas redes sociais
e ajude-nos a divulgar o nosso trabalho!




Permitida a reprodução se feita na íntegra e citada a fonte original!



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Constituição Federal:
Art. 5º / inciso IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vetado o anonimato;

O seu comentário é uma ferramenta importante para o aprimoramento deste site, porém, deverá seguir algumas regras:

1 - Fica vetado o anonimato;
2 - O comentário deverá ter relação com o assunto em questão.
3 - Não serão aceitos comentários que denigram o nome/imagem de quaisquer instituições ou de seus integrantes.
4 - Comentários inapropriados serão retirados pelo editor do site sem prévio aviso.

OBS.: Verificar Página Termos de Uso - Ao enviar o seu comentário, fica confirmado ter conhecimento da política de uso deste site.

Tecnologia do Blogger.