Três tipos de Comandante que se deve evitar


Três tipos de comandante

O Colado

Desde que ingressei na polícia ouvi a seguinte máxima: “comandar é correr riscos”. Na prática este chavão quer dizer que, em algum momento, aquele que se dispõe a liderar policiais deverá assumir posturas que podem lhe gerar ônus (desentendimentos políticos, desagrados a superiores etc), mas que garantirão o adequado encaminhamento da
missão e a integridade de seus subordinados. 
Muitos comandantes, entretanto, não possuem este desprendimento. Geralmente apegam-se exacerbadamente, de modo quase cego, a detalhes legais que garantem a omissão frente a necessidades e possíveis ajustes. O medo da indisposição política geralmente é o grande motivo das amarras admitidas por este tipo de profissional, que ignora as possibilidades e flexibilidades legais disponíveis comprometendo o bem estar de sua tropa. Neste contexto o serviço “não anda”, as evoluções não acontecem, o desconforto é máximo.

O Carrasco

Uma coisa é cumprir a lei, outra, distinta, é influenciar condutas visando enquadrar um profissional em determinada norma punitiva, enxergar qualquer iniciativa como potencial descumprimento da legislação e, mesmo em casos explícitos de irregularidade cometida, adotar posturas que humilham e desmerecem os profissionais. Principalmente no contexto das polícias militares, onde a visão disciplinar das coisas costuma prevalecer, é comum que certos comandantes adotem este perfil.
As consequências para o trabalho policial é a contraprodução, onde o clima de “caça às bruxas” tende a prevalecer, e cada passo dos policiais é calculado para não chamar a atenção disciplinar do superior.

O desleixado

Estar em função de liderança exige responsabilidade, cuidado, dedicação. Deixar que o encaminhamento da execução de uma missão “corra solta” é não se importar com possíveis dificuldades que os subordinados sofram, ou com contingências que podem ser cruciais para que o trabalho dê certo. Muitas vezes, comandantes desleixados fazem emergir lideranças que acumulam os espaços vazios irresponsavelmente – sem o controle e as prerrogativas que o comandante de direito possui.
Chefes que seguem este modelo passam a contar com a sorte para que os objetivos sejam alcançados, e tem grande possibilidade de criar núcleos de privilégio e até boicote ao trabalho.
Você, policial (principalmente os militares), já se deparou com algum desses modelos de comando? Qual deles é mais prejudicial?

Autor:  - Tenente da Polícia Militar da Bahia, associado ao Fórum Brasileiro de Segurança Pública e graduando em Filosofia pela UEFS-BA. | Contato: abordagempolicial@gmail.com


Compartilhe:

2 comentários:

  1. Muito realista o texto, mas faltou uma espécie: O Comandante que é a soma de todos eles.

    Abraços
    Freire

    ResponderExcluir
  2. Realmente, quando alguém ocupa um cargo do qual não tem competência vai aos poucos acumulando as três características. Já tive um assim. Não sabe o serviço, se apega arduamente a Regulamento Disciplinar para se omitir, emperrando o serviço e puxando o saco do superior para não contar simplesmente com a sorte.
    Abç
    Cristina

    ResponderExcluir

Olá, seja bem-vindo! Faça o seu comentário com responsabilidade. Muito obrigado!

Por Dennis Guerra