PF evoluiu de uma polícia de governo para se tornar uma polícia de Estado, afirma ministro da Justiça


Da Agência Câmara Notícias
Polícia Federal - PF
O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, negou nesta terça-feira, em audiência pública na Câmara, qualquer tipo de interferência política para poupar ou blindar pessoas nas duas operações recentemente deflagradas pela Policia Federal (PF): Porto Seguro e Durkheim.

“Sempre que pessoas do mundo político ou econômico são investigadas há muita tensão, controvérsia e confusões”, disse o ministro, que prestou esclarecimentos às comissões de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado; e de Fiscalização Financeira e (...)


Controle. “Mas afirmo aqui que nenhuma dessas operações é fruto de instrumentalização do ministro da Justiça e nem de descontrole da Polícia Federal”, completou. Segundo Cardozo, há anos a PF evoluiu de um status de polícia de governo para se tornar, de fato, uma polícia de Estado, “sem se submeter a qualquer interferência política” [...]
Leia a íntegra da matéria na Agência Câmara Notícias.
Compartilhe:

Um comentário:

  1. Parabens senhor Ministro e muito obrigado pela oportunidade que Vossa Senhoria me proporciona com sua feliz afirmação"a Policia Federal deixou de ser uma policia de governo para ser uma policia de Estado".
    Em alguma parte do curso de Policia comunitária ou Policiamento orientado para o problema é dito que as policias têm que criar uma "blindagem a respeito das vontades politicas.
    Pois bem, o senhores conhecem alguma policia que tenha suas linhas de atuação mais a deriva de mandatos politicos que a GCM? Não né!
    Quando esta influencia é em demasia acarreta que, a instituição policial perde sua credibilidade com a sociedade, pois sempre estará mudando sua caracteristica de prestação de serviço. E muitas vezes ocorre que a nova atribuição não é claramente exposta para quem Ela foi criada para Servir realmente ou seja, a sociedade.

    ResponderExcluir

Olá, seja bem-vindo! Faça o seu comentário com responsabilidade. Muito obrigado!

Por Dennis Guerra