20 outubro 2017

Flavio Serafini - Mais um especialista de sofá fala sobre guarda municipal armada

20/10/17 - Por Dennis Guerra: Apareceu mais um 'especialista de sofá' para falar que Guarda Municipal não deve ser armada. Agora foi a vez do Deputado Estadual do Rio de Janeiro Flávio Serafini, do PSOL. Veja também: Fura-Bumbo Magazine

O grande problema é que estas figuras se aproveitam do fato que as ações preventivas de policiamento não são de fácil mensuração - se o guarda municipal está presente, não há crime para ser registrado. Se não está, é porque não tem polícia. Logicamente este aí é mais um dos que defenderam do desarmamento da população e não comentam nada a respeito das armas existentes nas mãos dos criminosos. E também não apresentam números sobre a suposta eficácia da Campanha do Desarmamento. Por que?!


Já sabemos quem irá aparecer na próxima 
edição da Fura-Bumbo Magazine!



19 outubro 2017

Fura-Bumbo Magazine: Deputado, Lava-jato e RETP

19/10/17 - Por Dennis Guerra: É certo que a atual discussão sobre a nova nomenclatura a ser adotada pela GCM de São Paulo (Polícia Municipal) a exemplo de tantas outras guardas municipais e o espaço que o assunto vem tomando em muitas conversas é de extrema relevância - não apenas para o efetivo, assim como para o próprio cidadão paulistano, que reconhecerá de fato e de direito o trabalho realizado pelos guardas civis na sua proteção. Veja também: OCDGN - Conteúdo liberado (E a mente também)

17 outubro 2017

OCDGN - Conteúdo liberado (e a mente também)

17/10/17 - Por Dennis Guerra: Desde a última vez que eu escrevi aqui, não passaram nem quatro meses e, nem mesmo sabendo se isso é um retorno ou apenas uma explicação. Mas uma coisa é certa: agora você poderá acessar todo o conteúdo do OCDGN (que esteve bloqueado neste período). Veja também: 'Bora planejar a próxima empreitada!

E se por um lado ficar afastado do OCDGN foi um imenso alívio, por outro a necessidade de trabalhar em conteúdos importantes para o nosso público era ainda maior.

Apesar de me dirigir a você neste momento, basicamente para explicar que o site esteve bloqueado para que eu mesmo pudesse me livrar da necessidade rotineira - praticamente viciante - de acessar e produzir conteúdo (por esta razão o bloqueio da página), outros pontos seriam interessantes a serem apresentados.

1 -  Não. O OCDGN não esteve fora do ar por perseguição ou pressão de pessoas descontentes com este trabalho, como muitos me questionaram em conversas por aí. Ele esteve fora do ar por eu acreditar que ele não fosse mais necessário. Talvez eu tenha me enganado. Inúmeras pessoas me afirmaram o contrário e à elas eu deixo os meus mais sinceros agradecimentos. Por outro, principalmente, por ser uma carga 'a mais' em minha vida extremamente extenuante;

2 - O grande motivo: a minha família. Enfrentando problemas nos quais a minha devoção deveria ser ainda maior, eu não poderia dividir o meu tempo com assuntos que não seriam a minha prioridade. Até mesmo porque, o resultado seria de péssima qualidade. E se você me perguntar se as coisas andam bem, eu respondo que não. Mas tentarei, na medida do razoável, continuar contribuindo com algo. Até mesmo o porquê, tendo acabado de concluir o curso superior como Tecnólogo em Comunicação Institucional, este trabalho é importantíssimo para o meu currículo;


3 - E por último: em certas circunstâncias eu tive a oportunidade de perceber quem se aproximava de mim com 'segundas intenções', considerando o alcance que o site permitiria à sua imagem - caso tivesse algum conteúdo de relevância a ser divulgado, é claro! Eu, que já me considerava macaco velho nesse metiê, aprendi ainda mais nesse tempo de obscuridade. De certa forma, eu tive a oportunidade de percorrer o mundo em um certo anonimato que eu havia perdido. Foi uma experiência bem interessante. Deixo aqui um desabafo em meu perfil pessoal no Facebook, à época:

"Parece que, quando não estamos bem, tudo o que é de porcaria e mau caráter aparece. Agora mesmo apareceu uma dessas         . Dei meia volta para cumprimentar e ela me disse, do alto da sua arrogância e pequenez humana: Parou com o blogue? Eu sei como é... os caras ficam no seu pé e você treme. Eu respondi que não tremi, apenas não vejo mais importância nisso e que a minha família precisa de mim. Ele insistiu, tripudiando, justamente por perceber que eu não estou forte o suficiente para rebater e que sem o blogue fica ainda mais fácil me atacar. Insistiu na provocação e, com certeza nunca mais vai esquecer a resposta. Até porque, quem perdeu um filho deveria ser o primeiro a respeitar os outros. Como eu sempre digo: se atravessar o meu caminho, mando            mesmo,           ! Até lá espere eu recuperar as minhas forças! E mesmo com todas essas coisas eu não voltaria com o blogue. Na vale o esforço".

Não valeria se eu me baseasse em revanchismos, na raiva ou na mera provocação. E não seria o caso. Estou me sentindo bem. E mais ainda: estou sentindo uma imensa falta em produzir conteúdo. Só espero ainda ter capacidade para isso! Até lá, continuarei expurgando os meus próprios fantasmas.



'Bora continuar aumentando os números 
ou não vale o esforço?


biz.